segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

Lei de Murphy

Fato. Quando a gente tá com pressa, tudo dá errado: esse é o postulado da lei de Murphy e sempre, mas sempre mesmo comigo ele dá certo. Diferentemente de outras coisas como dieta, memória pra nome de coisas (e as vezes pessoas), que tem maior chance de não dar certo, a lei de Murphy sempre está lá, dura e impávida.
Sexta-feira, 03 de dezembro, data oficial pra criação deste blog, e aniversário do meu pai. Meu horário de saída do trabalho é as 20h, pedi ao marido pra ir me encontrar no trabalho pra irmos juntos a Central e pegar o trem para casa do meu pai, assim chegaríamos mais rápido lá. Tudo ok, marido que seeeeempre chega atrasado, chegou milagrosamente na hora, faltando 5 para as 20.
Chegamos na Central a tempo de pegar o trem, que estranhamente estava beeeem mais cheio que de costume nesta hora, mas tudo bem, então lembramos: era o final de semana do Dia do Samba. A Central fica lotada, altos pagodes em vários trens, e afinal era sexta-feira, né?
Pegamos o trem lotado, tipo sardinha em lata, aliás nem sardinha em lata vem tão apertada assim, hoje em dia até que as sardinhas veem beeem folgadinhas na latinha...
E o trem foi, tabaque tabaque tabaque... No meio do caminho começam as luzes a piscar e o trem anda lentamente.
-Ai meu Deus, só falta parar! (pensei eu)
Pronto, era o que estava faltando. Na estação do Shopping Nova América, o trem parou, lotado, de luzes e ar condicionado (sim, este trem tinha ar condicionado) desligados. E ali ficamos uns 10 minutos, todos muito unidos, pensando no que fazer sexta a noite presos num trem!
Até que a porta abriu e fomos todos para a plataforma.
Gente, só carioca mesmo, o pagode que tava rolando no último vagão, não se fez de rogado, desceu e começou a tocar na plataforma, vááárias pessoas em volta cantando e sambando (roda de samba messsmo).
E pra quem não gosta de samba? Você me pergunta. E eu te respondo, tinha funk também!!! Vou te contar era uma gambiarra que nem McGiver conseguiria. Os caras colocaram um somzinho e duas caixas conectadas numa bateria de carro num carrinho de feira. Aquilo fazia um somzão de DJ Tubarão nenhum botar defeito.
E aasim ficamos na plataforma em Del Castilho, meio pagode, meio funk... E o aniversário do meu pai rolando!!!
Tomei uma decisão e falei pro marido: - Vamos pro Shopping que de lá a gente pega um táxi! Resolvido.
Estaria sim se Murphy não tivesse resolvido ser meu amigo íntimo.
Chegando no ponto de táxi do Nova América tinham 18 pessoas numa fila esperando um táxi, e nenhum no ponto!!!
RSRSRS Tem dias que a gente simplesmente não deveria fazer nada para acelerar os processos, isso não adianta.
Enfim, hora e meia depois que saí do trabalho consegui chegar na festa do meu pai de aniversário. Para ele, todo meu esforço vale a pena!
Beijocas

Um comentário:

  1. Tifani!!!
    Bem vinda ao universo bloguistico!!!
    Vc so esqueceu de contar o quanto andou naquele dia no Saara (que fez juz ao nome) rsrsrss
    Beijos, Camila.
    odesabapho.blogspot.com

    ResponderExcluir